quinta-feira, outubro 02, 2008

CONHEÇAM INFERNO. PARTE 0,99


Ele gritava como louco,o que realmente era, era um grito de desespero.

Era um conjunto habitacional, dentro dele uma casa normal que passava despercebida entre outras, mas dentro dela um cômodo que tornava ela singular, e dentro dele um vermelho que tornava tudo colorido, e no meio de toda essa cor estava ele.

Um homem careca, nu em pêlo coberto de sangue... ele não estava ferido.
E ele gritava:
- Maldito! Maldito! ele fez isso comigo! ele fez isso não é culpa minha! é culpa dele!
E num choro que terminava em murmurios dizia:
-Eu sou inocente....

Ele não era inocente e estava coberto com sangue de duas meninas, ele nakele momento gritava e choramingava no meio de um festival de carne e sangue, isso mesmo um carnaval do qual nem sua própria carne nem seu próprio sangue faziam parte da decoração. as meninas sim, faziam.

Duas meninas lindas elas eram, loirinhas, 12 anos cada uma, ele tinha estuprado e esfaqueado as duas, antes de começar a gritar não parecia ter remorso.
quase como se fosse outra pessoa, bizarro, sim bizarro.

As meninas estavam deitadas sangrando, sem fôlego para gritar, olhavam pra cima como se estivessem hipnotizadas, como se tivessem tentando focalizar alguma coisa lá em cima, mas na verdade estavam olhando pra cima rezando e morrendo, assim chega mais próximo da realidade, rezando e morrendo.

Ele olhava pra elas quase tentando entender como aquele facão, entrou e saiu delas tantas vezes e fazendo tantas marcas e ele nem lembrava direito....parecia um sonho. era um sonho era um sonho. ele sempre sonhava com aquele cômodo, desde criança sonhava, e sonhava desde que começou a morar naquela casa, junto com sua familia tinha vivido vários momentos.aquele cômodo tinha muitas histórias, e que certamente virão á tona nobres espectadores.

O cômodo era um porão onde ele guardava suas tralhas e bugigangas. Ele havia sido cavado e moldado pelo primeiro morador, um senhor que ajudava menores abandonados. com nada nele que importe ser citado, nada além da gazolina.

já no finalzinho de suas vidinhas lindas e loiras as menininhas em unisono perguntaram gemendo:
- seeenhorrrr.....quem é o senhorr.....?
E ele ficou de pé, e graças as forças do universo já tinha recobrado sua conciencia! ficou tão feliz e entrou em tamanho extasy enquanto esfaqueava as meninas que perdeu o controle e amoleceu devia estar dopado de adrenalina pra que isso acontecesse. quase achou que era outra pessoa.
mas não era, e enquanto enxarcava os corpinhos das meninas e o seu próprio também, respondeu às menininhas com um sorrisinho enviesado:
- Eu? eu...sou INFERNO!

E acendeu a gazolina.

fim de conheçam inferno.

domingo, setembro 21, 2008

CONHEÇAM INFERNO. PARTE 00,5


eh interessante oq uma nova perspectiva pode fazer, ninguem olhava dakele jeito pra ele fazia tempo, claro que estar enxarcado de sangue nunca ajudou ninguem a conseguir uma perspectiva positiva pra si, mas como ele nunca teve nenhuma, mesmo aquela era boa, ele sentiu os olhos de todas aquelas pessoas e aquilo era bom, faria de novo e de novo e realmente depois de alguns meses internado naquele manicomio conhecido como arthur ramos ele saiu e fez, pouca gente o conheceia naquele novo bairro onde a onda de estupros e desaparecimento de crianças recomeçou. mas mesmo assim... as pessoas passavam por ele e tinham quele arrepio na espinha.
ele não era normal, aquilo não é humano arriscavam outros. sob uma certa perspectiva eles estavam certos.

sexta-feira, fevereiro 22, 2008


certo naum costumo, fugir do contexto neste site. mas uma coisa vcs devem acordar, ele eh meu, e eu faço o que quizer. se achou ruim...bom entaum pra começo de conversa vc eh bem azarado, pq quase ninguem entra aki, e foi logo vc quem tinha de descordar do que eu acho legal?

sexta-feira, agosto 17, 2007

As Aventuras de Bartolomeu Black parteIII

Era um dia claro, e o homem quieto sem dar um pio na varanda de casa, era uma rua típica de uma cidade tipicamente pequena, com velhas fofoqueiras na janela e tudo mais, mas ultimamente nos ultimos 3 meses um assunto não mudava e era rotina nas assembléias de discussão. quem é aquele novato de cadeira-de-rodas que não fala com ninguém?
mal sabiam que 3 horas depois da fofoca que inserrou a reunião,elas descubririam.
gustavo-que os amigos conheciam como guga- estava deitado na grama de pernas pro ar, com seus 3 irmãos, moravam na casa defronte a casa onde o cadeirante andava. gustavo era o mais velho, 13 anos o restante todos meninos vinham em uma cascata de 12,11 e 10 anos de idade. ficavam olhando como era impressionante que o homem careca na cadeira-de-rodas, sempre com esses oculos redondos com as lentes vermelhas nunca dava pra saber pra onde o homem olhava alguns vizinhos achavam estranho e de um mês pra cá começavam a se arrepiar quando passvam por ele,como se o homem tivesse uma coisa ruim que ninguem sabia explicar. não falava com ninguem da vizinhança,parecia sempre catatonico, salvo as poucas vezes que se mexia pra mover a cadeira com os braços.
4 crianças curiosas , normal considerando a tenra idade, ficavam brincando de fazer cossegas um nos outros, e também de decorar o horário em que o vizinho da frente saía , e apostar pra ver quem chegava mais perto dele sem que ele percebesse-ele sempre percebia,mas ficava parado observando e gostando da curiosidade das crianças-curiosamente ele saia quase sempre uns 15 minutos depois que as crianças iam brincar na grama.
Os vizinhos pensaram em chamar a policia naquele dia, pois viram o sorriso macabro do cadeirante,quando as crianças cheram perto dele hoje, mas deixaram pra lá "oras eh só um aleijado retardado...ele deve gostar de crianças é só" eles estavam certos.
A noite chegou, a mãe chamou os meninos pra casa,eles jantaram junto com os país, e foram dormir felizes.
.BLAM
.BLAM
.BLAM
.BLAM
.BLAM
.BLAM
As crianças acordaram,olharam pela janela, pra ver se o cachorro tinha virado os latões de lixo de novo. os latões estavam de pé mas o cachorro latia loucamente pra uma cadeira de rodas vazia. Correram rapido todos jun tos pra o quarto dos seus pais, viram seus pais ensaguentados no chão-só o mais novo achou que eles estavam dormindo- viram duas armas fumegantes,um homem de pé, forte e careca com oculos vermelhos,e um sorriso macababroque os encarava, aquilo ficaria marcado em suas memórias durante anos, pois as crianças naum morrem agora.
No outro dia quando a vizinhança chamou a policia, ninguém achou as crianças e nem o cadeirante.somente os cadeveres dos pais dos 4 garotos, e seus miolos longe do antigo recipiente que os continha. As crianças iriam preferir ter morrido em vez de viver oque viveram durante os próximos 10 anos, sem o amor dos pais, mas com todo carinho e atenção que aquele homem mal poderia no mundo dar a alguém, durante todo o tempo que estiveram juntos não ouviram daquele senhor nenhuma palavra, mas eles ainda vão escutar...

DESCUBRA QUAIS SÃO AS PALAVRAS PROFERIDAS PELA BOCA DO HOMEM MUITOMUITO MAl NO PRÓXIMO CAPITULO EM: o quartinho do senhor bartolomeu.

sábado, outubro 14, 2006

as aventuras de Bartolomeu black parte2

SEXTA FEIRA , depois de um show de rock os amigos estavam exaustos, afinal 8 bandas de rock n roll não é qualquer um que aguenta,no chão o mais cabeludo estava chapado de bebida e outras drogas .
o cara feio de oculos e moicano naum tinha bebido tanto,mas tava puto, pq uma hora no show rolou uma musica mais pesada, e alguem que escapou de um ritual indigena que eles chamam de "a roda" bateu violentamente contra o seu nariz e ainda tava sangrando.
todo mundo já tinha ido embora, e eles estavam andando tropegos pela rua que levava ao ponto de onibus mais próximo. Chegaram ao ponto e sentaram no chão, estavam muito bebados e cançados. haviam mais 2 pessoas no ponto esperandoo ultimo onibus chegar...
o mais cabeludo virou com olhos que pareciam brazas e falou -eei...véi. se....tah ligado? tu me chama. valeu?- e ai dormiu.
-
-
-
-
-
-
-
-
-
quando acordou estava sozinho no onibus sentado no "fundão" olhou pro corredor do onibus, e tinha algumas manchas vermelhas fazendo uma trilha ateh a entrada na frente do onibus.- meu irmão eu tow chapado ainda...devo tah ficando doido- pensou o cabeludo. mas não estava.
levantou com a mão na cabeça, e olhou pro lado de fora do onibus,- porra só tem poeira nessa merda, e tah tudo escuro! esse merda desse motorista deve ter deixado a gente no village campestre!-pensou errado o cabeludo, se referindo a um lugar onde compahias duvidosas andavam, muito familiar pra ele por sinal.
a luz do farol do onibus iluminava nada além de poeira.
quando ele saiu, viu logo no chão uma mão vermelha de sangue em cima de uma poça, tapou a boca com a mão, ele agora naum podia dar nenhum vacilo-que porra eh essa -disse susurrando.continuou seguindo devagar as manchas no chão. ele sempre tinha sido o mais medroso da turma, e isso naum era nada vantajoso agora.
Ele chegou a quase vomitar quando viu o corpo do amigo no chão, esquartejado, e fazendo um smiley com as partes separadas do corpo, ouviu o barulho de alguem andando, no meio da poira amarela por causa da luz do farol, viu primeiro um coturno grosso velho e ensanguentado- eutochapadoeu tochapado- tentou miseravevélmente se convencer.depois viu o resto, um homem alto com camisa de regatas, branca, suja de sangue e poeira,tinha um facão na mão, e era... careca!o cara era careca! tinha um braço cheio de tatuagens ou algo parecido com isso,o cabeludo estava tão apavorado, que nem conseguia dizer qual era o bra-
ço esquerdo, ou direito, do assassino evidente,que tinha aquela mancha que parecia uma tatoo.
o homem careca largou o facão afiado e ele fincou de pé no chão, devagar abaixou e pegou um dos braços do que tinha sido um dia um bom companheiro pra beber, olhou firmemente para o cabeludo,parecia ateh hipnose, pq ele se aproximou devagar e o medroso ainda nem tinha se mexido(o que era um milagre), entaum no momento que o ódio ia explodir o mdroso acordou do transe e ainda conseguiu levantar a guarda para defender o golpe que o careca desferiu usando um braço amputado como arma, na hora do impacto,sangue de um amigo manchou o rosto de um outro! e o sangue o atordou mais do que a pancada na hora ele pensou-vou morrer- e ele nunca esteve tão certo na sua vida. porque em seguida o robusto e alto homem careca desferiu outro golpe com a arma, de baixo pra cima, isso fezcom que o cabeludo levantasse uns 4 centimeros do chão, girar um pouco e cair com a cara no chão, sangrando e tonto demais para levantar, ainda viu uma enorme bota de soldado vir em direção ao seu nariz,depois disso mais nada,só o escuro e o sofrimento, se existe inferno foi pra lah que ele foi.fimda parte 2

quarta-feira, outubro 04, 2006

as aventuras de Bartolomeu black parte1

metro de uma cidade qualquer, 2 pessoas esperam na estação, a ultima linha chegar.
-puxa como este trem tah demorando né?-falou uma jovem e sardenta loira de 23 anos que esperava ansiosa-vc acha que vai demorar muito?
-...
-eu hein...-o sorriso simpatico dela desmancha- eu só estava tentando conversar!-disse levantando a voz-
-hein?!-disse com uma leve careta de desentendido o rapaz com roupas folgadas, que escutava musicas no seu ipod.-foi mal mina tenho namorada, isso naum vai rolar.
-oquê?! SEU CACHORRO! EU VOU TE ENSINAR UMA COISA! TÁ PENSSANDO QUE EU SOU UMA PUTA É?
-ãh?-ele tira os fones de ouvido, olha e responde- num precisa gritar não baranga! Mas se vc quer brincar...-ele tira uma arma de dentro da blusa,era tão enferrujada, que ninguem sabia se funcionaria se ele tentasse atirar - se vc quer mesmo brincar eu tenho um brinquedo legal
Ela tremeu enquanto ele deslisava a arma pelo seu quadril, ateh que ela naum aguentou mais e gritou: SOCORRO!
mas ele ouviu: ME COME!!
Quando ele abriu a calça(enquanto molhava o rosto dela de saliva)um braço forte agarrou ele pelo pescoço...ele ainda tentou atirar, mas a adrenalina não tinha deixado ele perceber, que tinha um canivete encravado no antebraço que tinha rasgado todos os tendões do braço que segurava a arma.
Quando viu o sangue se desesperou, tentoou gritar mas o ar lhe faltou estava com a cabeça roxa e sem oxigenio,ai o braço forte lhe largou, o bem-vindo ar entrou nos pulmões de novo.Abriu os olhose antes que pudesse gritar, a luz da gigantesca maquina de ferro ofuscou sua visão, depois da luz escuridão.
A moça loira estava no chão suas pernas não sustenteram o peso do seu corpo, depois de visões tão chocantes. Aquele homem de ombros largos e mais alto que ela(oq naum era muita coisa) tinha aparecido do nada, ele era careca e sem conversar, pegou ele num mata leão tão eficiente, que o golpe pareceu militar, ela não conseguiu acompanhar o movimento que rasgou o braço do rapaz, mas viu atentamente o homem careca se levantar, e com uma mão segurar o rapaz pelos cabelos, e arrastalo fazendo uma trilha de sangue ateh a beirada da plataforma de embarque, onde ele esperou pacientemente contando no relógio 2 minutos ateh que visse a luz do trem se aproximando, olhou pra moça, ainda estava imovél, o rapaz começava a acordar ,antes que isso acontecesse , o homem o arremeçou nos trilhos. a moça assistiu a tudo sem falar nada, viu tb o homem se aproximar, e viu tb o punho imenso vindo em sua direção.depois disso tb não viu nada...

fim da parte 1

segunda-feira, outubro 02, 2006

esta eh soh pra esquentar o coração


quem de nós nunca sonhou matando alguem?
e trepando com mais de duas mulheres, ou homens...ou animais, inverterbrados tb vale.
no quartinho do sr. bartolomeu, acontecem coisas estranhas para vc.mas coisas estranhas só são estranhas quando vc naum as conhece, ou quando vc naum está acostumado(a) a elas, acredite, quando eu já tiver acabado com vc, nada disso será estranho.